terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Não sou português. Sou Algarvio.

Toda a vida me disseram que tinha que ter orgulho em ser português, na escola, em casa, em todo o lado. Nas aulas de história e de português principalmente, lá falavam os professores sobre os Reis e as suas conquistas, sobre Camões e seus poemas. Eu influenciado por tudo aquilo fui deixando-me levar, no entanto alguma coisa fazia com que eu devesse de desconfiar, lá estava o meu sentido crítico a funcionar. Depois de anos a investigar um pouco sobre história e a estudar artes e cultura, cheguei a conclusão que a história de Portugal é uma história com muitas interrogações, com muitas contradições, fazendo com que a história de Portugal seja falsa, em vários capítulos. No entanto as pessoas têm em si um grande sentido de autenticidade em ser português, que por mais falsa que a história por vezes possa ser, ninguém ousa saber se realmente é verdadeira ou não, as pessoas acreditam nela e pronto. É quase como, se alguém duvidasse da história ou investigasse sobre ela, pudesse ser olhado como um falso português. A realidade é que se nós acreditarmos em tudo o que nos dizem e não desconfiarmos e, por sua vez não investigarmos, vivemos numa alegoria constante. Por outro lado, a maioria das pessoas não sabe em que ano Portugal foi fundado, muitos nem sabem quem foi o primeiro Rei de Portugal e muito menos sabem quem foi o último, no entanto têm um grande orgulho em ser português. É para mim uma grande contradição eu dizer que tenho orgulho numa coisa que pouco conheço, pouco sei. Talvez não exista tanto orgulho assim.

Eu não sou português, sou Algarvio, é bom que isso fique aqui bem explicito por mais que o meu bilhete de identidade diga outra coisa. A questão da identidade é algo extremamente importante para toda a gente, mas não se define com um número num papel. Define-se pelo local de nascimento, numa maioria; define-se sabendo a nossa própria história; os nossos hábitos, costumes e tradições donde nós vivemos.
Nasci no Algarve, vivo no Algarve, sou Algarvio. Se existe uma cultura portuguesa ela foi muitas vezes na história influenciada por uma cultura proveniente do Algarve, por uma cultura árabe (e não só).

O Al-Gharb dos muçulmanos não era só o Algarve com as fronteiras de hoje. O Al-Gharb de Al-Andalus ia desde Coimbra (Kulūmriyya) até às fronteiras do Algarve dos dias de hoje. Já naquela altura o Algarve era um reino, aliás Silves (Xelb) era a capital desse reino e o Algarve islâmico da época atingiu um elevado esplendor cultural e económico que já vinha a crescer desde a época romana. A grande conquista cristã que a história de Portugal nos conta quebra com a realidade do que era o Algarve da altura, e com o que realmente aconteceu. Durante mais de cinco séculos (c. 711-1249), sobre o domínio dos povos islâmicos, árabes e berberes, também o cristianismo existia entre a população do Algarve. Durante séculos viveram moçárabes e cristãos sob governos muçulmanos. D. Afonso I (primeiro rei de Portugal), nunca chegou a pisar as terras do Algarve de hoje, foi seu filho, D. Sancho I que em 1189 conquistou Silves e proclamou-se como Rei de Silves e do Algarve, no entanto perde Silves para os árabes em 1191, perdendo também o título. Conseguimos perceber que existia interesse por parte dos reis na conquista (reconquista), pela simples razão de aumentar o seu reino, mas a ordem da conquista era dada pelos Papas, e os portugueses matavam em nome de Deus. Foi preciso cinco Reis portugueses e a ajuda dos Cruzados para, por mais de um século de guerras conquistarem o Al-Gharb aos muçulmanos, desde 1139 até 1249 (Cento e dez (110) anos). Mesmo, desde 1189 da conquista da grande Cidade de Silves por D. Sancho I, até 1249 da conquista de D. Afonso III, foram precisos setenta e oito (78) anos para conquistar as fronteiras do Algarve de hoje. Passaram as passas do Algarve.

Depois de o Rei de Leão e Castela conquistar Sevilha em Novembro 1248, fez com que D. Afonso III tomasse a decisão de lançar a última ofensiva a sul. Ambos os Reis, de Espanha e Portugal cobiçavam estas terras ricas do Al-Gharb. Na primavera de 1249 chegam as tropas portuguesas à cidade costeira de Santa Maria de Faro. Não houve ataques, nem invasões sangrentas. D. Afonso III fez apenas um acordo com os mouros estabelecendo o seguinte: deu-lhes as mesmas leis em todos os assuntos, podiam ficar com as suas casas e seus patrimónios e o Rei prometeu, defende-los e ajuda-los contra outros povos invasores. Os que quisessem ir embora poderiam ir livremente e levar seus bens. Os cavaleiros mouros que permanecessem tornar-se-iam seus vassalos, e respondiam quando fossem chamados, e o Rei devia trata-los com honra e misericórdia. Foi desta forma que D. Afonso de Portugal e do Algarve “atacou” Faro. No final de 1250, os últimos bastiões muçulmanos, em Porches, Loulé e Aljezur rendem-se e aceitam a aliança portuguesa (não é por nada que ainda hoje existe nos brasões das cidades algarvias um rei cristão (D. Afonso III) e um muçulmano). Os autores e historiadores contemporâneos portugueses desvalorizaram sempre os registos da verdadeira reconquista, fazendo com que a história ficasse marcada por uma brava e vitoriosa conquista portuguesa, por mouros que fugiram, e banhos de sangue (uma história pouco verdadeira). Os Reis espanhóis consideravam que o Reino do Algarve lhes pertencia por o Rei do Al-Gharb, Musa ibn Mohammad ibn Nassir ibn Mahfuz, Amir de Nieba, ter feito vassalagem ao Rei D. Afonso X de Castela. D. Afonso III casou-se com a filha do Rei de Espanha Dona Beatriz de Castela em 1253 com a intenção de criar um laço de aliança (mesmo casado com Dona Matilde de Bolonha). Só em 1267, com o Tratado de Badajoz D. Afonso X de Leão e Castela concede ao Rei de Portugal o Reino do Algarve, fazendo de seu neto D. Dinis o herdeiro do Trono do Algarve.

Muito se fala dos Descobrimentos portugueses, o que não se fala é o quanto o Algarve contribui-o para isso acontecer. O que é que os portugueses sabiam sobre navegação? Na verdade não sabiam praticamente nada, (tinham umas galés, que eram barcos de origem greco-romana, movidos a remos). A caravela portuguesa que deixa o povo muito orgulhoso é uma imitação dos barcos árabes que existiam no Algarve (barcos esses que têm o nome de caravela latina). A caravela redonda (caravela portuguesa) foi um aperfeiçoamento da caravela latina. Os instrumentos náuticos também foram influências e invenções dos árabes, como por exemplo o tão conhecido Astrolábio.

D. Dinis em 1293 criou uma bolsa dos mercados com interesse pelas exportações. Vinho e frutos secos do Reino do Algarve eram vendidos a certos países como Inglaterra, e foi assim que começou a desenvolver-se a ideia para os descobrimentos.
Em 1415 os infantes de Portugal invadem a cidade de Ceuta com a mesma visão da “reconquista”, mas com mais motivos. As conquistas no norte de África fez com que o Reino do Algarve, passasse a ser chamado, a partir de 1471 como Reino dos Algarves, e o primeiro rei a o usar o título foi o Rei D. Afonso V de Portugal e dos Algarves, d’Aquém e d’Além-Mar em África. Não é que existisse dois Algarves, mas apenas um, com dois territórios (o de cá, e o de lá do mar). O que existia na verdade era apenas uma expansão do Reino do Algarve para além do mar, já que o Reino de Portugal acabava no Alentejo.
Começa então em 1415 com a conquista de Ceuta a Era dos “descobrimentos portugueses”. A ilha do Porto Santo é descoberta em 1418, e a ilha da Madeira em 1419 por João Gonçalves Zarco. Na descoberta do arquipélago dos Açores, dá-se bastante relevo a Gonçalo Velho Cabral com os ilhéus das Formigas em 1431. Não tanto relevo tem Diogo de Silves pela descoberta dos Açores em 1427 (4 anos antes de Gonçalo Velho), talvez por ser algarvio. Na verdade antes destas descobertas já os algarvios iam até à ilha da Madeira à pesca, e os mouros também já teriam conhecimento destes dois arquipélagos.

Recuando um pouco atrás, em 1319, o Papa João XXII a pedido de D. Dinis, cria uma ordem religiosa e militar, a chamada Ordem de Cristo. D. Dinis o Rei legítimo do Reino do Algarve concede o Castelo de Castro Marim para sede da Ordem. Passados cem anos, em 1419 D. João I faz do seu filho Infante D. Henrique Governador do Reino do Algarve, e em 1420 torna-se Grão-mestre da Ordem de Cristo.
O Infante percorreu todo o Algarve à procura de gente com experiência marítima, dormiu em muitos lugares diferentes no Algarve. Ainda hoje em Portugal diz-se que a Escola Infante Sagres, que terá sido fundada em 1417, e que terá formado Vasco da Gama e Cristóvão Colombo, não passa de um mito. O que as pessoas não sabem é que o nome Escola vem do grego “Scholé”, e significa lugar do ócio, que naquela altura era o tempo para uma Conversação, e o tempo para o desenvolvimento da reflexão, e não propriamente um lugar específico para ensinar.

Platão, tal como Aristóteles nunca deram as suas aulas em nenhum edifício na Grécia mas sim em jardins chamados: “Academus”, e “Lyceum” (dando origem às palavras de hoje “Academia”, e “Liceu”). Não existe vestígios físicos das suas escolas, no entanto ninguém dúvida que as suas escolas tenham existido. O acontece com o Infante é um pouco de nada diferente. O Infante veio ao Reino do Algarve para aprender sobre navegação marítima, tornando-se na verdade um político da navegação dos “Descobrimentos” através da Ordem de Cristo e como Governador deste reino. Apesar de ter ficado com a alcunha de “O Navegador”, o Infante apenas fez algumas viagens a Ceuta como um comandante político, e não como navegador. Podemos considerar com isso, todo o Algarve como a Escola Náutica do Infante, apesar de ele ter dito que Sagres foi o local físico de sua Escola de Navegação (o local da conversação).
O Reino do Algarve na história de Portugal é quase inexistente, a maioria dos Algarvios e portugueses nunca ouviram falar deste Reino. Há autores que dizem que o Reino do Algarve em nada se diferenciava do resto de Portugal mas não é assim tão verdade. É certo que as leis de Portugal serviam para o Algarve mas não deixava, e não deixa de ter, outros hábitos e outros costumes, outras tradições, fazendo desta terra um grande espólio multicultural que não há igual, em nenhuma outra terra em Portugal. O Reino do Algarve não era um reino autónomo é verdade, era semi-autónomo separado pela Serra Algarvia, separado por vontade dos próprios reis portugueses, nomeando sempre um governador para este Reino régio, separado também por uma aliança com os cidadãos Algarvios e Reis de Castela. Dizem certos autores que nenhum Rei português foi coroado ou saudado como sendo apenas Rei do Algarve, é verdade, no entanto os próprios reis portugueses quiseram que continuasse a ser um outro Reino à parte, e estes autores esquecem-se ainda que quem fundou o Reino do Algarve não foram os Reis portugueses. A única vez que o Reino do Algarve foi abolido foi em 1773 por D. José I (influências do Marquês de Pombal), mas a sua filha, a Rainha Dona Maria I volta a o restaurar (porque será?). Existe também a referência por parte de certos autores que os Reis portugueses até 1910 usaram sempre o título de Reis de Portugal e dos Algarves d’Aquém e d’Além-Mar em África, mesmo depois de terem perdido os territórios no norte de África em 1769, dando a ideia de algo absurdo por parte dos reis, continuarem a usar tal título. Parece que certos autores não conseguem compreender que mesmo depois de 1769 (perda da Cidade de Mazagão), os reis portugueses continuavam a ter vários territórios em África, os títulos dos reis não diziam: Algarves do norte de África. Outro mal-entendido é em relação ao escudo de Portugal, que uma maioria dos autores não considera os 7 castelos, como fortificações Algarvias conquistadas pelos Reis portugueses aos mouros. Eles consideram que os castelos do escudo sejam fortificações que o primeiro Rei de Portugal conquistou aos mouros. Aconselho então a irem ver um mapa de Charles Bonnet (Mappa geográfico da província do Alemtejo e do Reino do Algarve (Portugal), na Biblioteca nacional digital). Nesse mapa vão ver que existe dois Brasões, o do Alentejo, e outro do Reino do Algarve. O brasão do Reino do Algarve são os 7 castelos do escudo de Portugal (apesar de existir outro brasão do Algarve).  

Os Reis de Leão e Castela (Espanha) também usaram títulos como Rei dos Algarves, aliás, ainda hoje isso acontece. O Rei Juan Carlos I é o Rei dos Algarves pela constituição monárquica espanhola de 1978. Para quem não sabe Espanha já teve república, e como não correu nada bem voltaram a restaurar a monarquia. Isto aplica-se ao que Alexandre Herculano um dia disse: " Se mandarem os Reis embora, hão-de tornar a chamá-los".(mas isso é uma outra história).

O Reino do Algarve englobava todos os territórios africanos dos reis. Também podemos olhar para a ilha da Madeira como parte desse reino, ainda mais por D. Duarte ter doado a seu irmão o Infante D. Henrique (Governador do Reino do Algarve), o arquipélago da Madeira. Sendo extremamente irónico a ilha Madeira hoje ser uma região autónoma (ou semi-autónoma) e o Algarve não.
O que sempre existiu em Portugal foi um Reino Unido de Portugal e Algarve tal como acontece ainda hoje na Grã-Bretanha, com Inglaterra, País de Gales, Escócia e Norte da Irlanda, unidos. Mais tarde em 1815 também o Reino do Brasil fazia parte desse reino unido (no entanto é proclamada a independência do Brasil em 1822).

Em 1910 com o golpe de estado por parte dos republicanos, dá-se a proclamação da 1ª República portuguesa, em que se aboliu o Reino de Portugal. Os republicanos portugueses no entanto esqueceram-se de abolir o Reino do Algarve. Os republicanos deixaram a nós, povo Algarvio um vazio jurídico (uma lacuna), que faz com que ainda hoje o Reino do Algarve exista.
Portugal já vai na 3ª república, e é bom não esquecer que vai na 2ª república democrática. Para quem não sabe a constituição da 2ª república do estado novo 1933, estabelece um compromisso democrático que deu na conhecida ditadura salazarista. Aliás desde que o estado português é uma república que a ditadura esteve, quase sempre presente, que não se pense que a ditadura só existiu na monarquia absolutista.

O Algarve é hoje a única colônia que nunca se conseguiu ver livre de Portugal. Se o objectivo era quebrar com a pouca autonomia que o Algarve tinha e fazer com que o povo Algarvio ficasse cada vez mais ingénuo e ignorante, para se poder usufruir do Algarve e dos Algarvios como servidores e dependentes de Portugal, a república portuguesa conseguiu, mas nada dura para sempre. É irónico como uma terra que vinha desde a época romana a crescer, que tinha até uma das cidades romanas mais importantes da península ibérica (Balsa séc. I a.C.), perde o seu poder e a sua autoestima, como se dos outros dependesse. Os autores e historiadores têm também culpa nisto, omitir o Reino do Algarve cada vez que se fala sobre a “reconquista portuguesa” ou sobre os “descobrimentos” é das duas, uma: desconhecimento da história, ou por e simplesmente querer ocultar este Reino (esconder a verdade). Isto faz com que a história de Portugal seja mais ficcional do que verdadeira. Tal como o uso das palavras como “Conquista” ou “Invasão”, são usadas para identificar diferentes autores: os muçulmanos “invadiram” a península ibérica; os portugueses “conquistaram” Ceuta, a Índia e o Brasil (os portugueses não invadiram, conquistaram!).

O Algarve já há séculos que anda com Portugal às costas, e o reconhecimento que tem, é ver desvalorizada a sua herança cultural (a sua história). O reconhecimento que tem é a negação ao seu estatuto autónomo por direito. Mas o Algarve na verdade não precisa de Portugal para nada, o PIB do Algarve é bastante elevado, é ridículo o Algarve ser a 3ª zona mais rica de Portugal, atrás da Madeira. Mas, Portugal sabe que, se desse autonomia ao Algarve, o Algarve muito rapidamente se tornava a zona mais rica do País, e isso não é nada bom para a região de Lisboa. A Madeira também só é a segunda zona mais rica por ser uma região autónoma mas se repararmos, o Algarve, geograficamente é quase 6 vezes maior que a Ilha da Madeira, temos mais de 450 mil habitantes, a Madeira nem chega a 300 mil habitantes. O Algarve é a zona turística mais importante de Portugal e uma das mais importantes da Europa e no entanto pouco ou nada recebe de fundos comunitários como se o Algarve já estivesse  bastante desenvolvido. Se o Algarve é hoje uma zona desenvolvida foi certamente também por fundos comunitários, mas os investidores é que fizeram com que o Algarve seja hoje, uma zona bastante competitiva no turismo internacional, e os únicos protagonistas são os privados, e o povo Algarvio. A verdade é que o poder político central, e mesmo os políticos do Algarve parecem ter um grande desconhecimento sobre esta terra dourada. Os políticos do Algarve principalmente, deviam de defender mais os interessem desta terra e deste povo, e não o fazem como deve de ser, parece que foram engolidos por partidos que olham para esta terra como se fosse uma concessão de praia. Precisamos de políticos capazes, de políticos Algarvios para defender com garra esta herança cultural (este patrimônio milenar).  


   A arquitectura moderna, sem qualidade numa maioria, descaracteriza com aquilo que é a nossa arquitectura algarvia (uma arquitectura genuína). Fazem-se obras desnecessárias e esquecem-se das casas em ruínas (a cair), esquecem-se dos castelos e fortalezas que, no grave estado em que estão, dão a ideia de que a história e cultura algarvia ficou perdida no tempo.
Existem exemplos por toda a Europa de países extremamente pequenos que tiveram um grande sucesso, tal como o Luxemburgo que só é independente desde 1867, e que é duas vezes mais pequeno que o Algarve.
O Principado de Andorra que é também bastante pequeno mas não deixa de ser um País independente. A sua língua oficial é o catalão, e o País funciona com uma monárquica constitucional, sendo também um bom exemplo (Principado é um Estado cujo o soberano é um príncipe ou uma princesa).

   Acredito que mais tarde ou mais cedo a independência do Algarve aconteça, tal como existe essa vontade na Catalunha em relação a Espanha, tal com existe essa vontade na Escócia em relação a Inglaterra. Só depende dos Algarvios, só depende de quanto tempo mais, nós (povo Algarvio), quisermos andar com Portugal às costas, e continuarmos a dar todo dinheiro que produzimos e ganhamos a um Portugal que nos desvaloriza e menospreza, fazendo o querem do Algarve, sem o consentimento e a permissão dos Algarvios.           

Manifesto ao Povo Algarvio.
Em defesa do Algarve e dos Algarvios.  

50 comentários:

  1. proponha este artigo ao Sul Informação

    ResponderEliminar
  2. Gostava de poder mostrar este artigo a todo o pais, e principalmente a todos os Algarvios, para que nos possamos ser independentes e ter a nossa liberdade pois temos capacidade de ser uma grande potencia... Todos juntos podemos mudar esta situacao...

    ResponderEliminar
  3. É isto que eu passo todos os dias aos meus Clientes estrangeiros não sou Português sou Algarvio todos os dias somos roubados por portugal

    ResponderEliminar
  4. Sou da Cumeada, conselho de Silves. Na minha família sempre se falou de Silves como a antiga capital do reino do Algarve onde o rio de Silves recebia navios e navios de mercadorias para exportações....e o fim da capital algarvia teve origem num grande sismo que destruiu quase totalmente o rio Arade (sismo este que abalou grande parte da fortaleza de sagres e uma parte muito importante da sua história). Sempre se falou das batalhas, dos esconderijos subterrâneos, valas de corpos ....enfim...existe história em cada pedaço de terra que se levanta na cidade de Silves.
    Os algarvios de gema sabem muito sobre a história do Reino do Algarve e não porque serem historiadores mas sim porque passa de geração em geração a sua história , eu falo por mim.
    Adoro o Algarve e adorei o texto.

    ResponderEliminar
  5. Obrigado por ter a coragem de por no papel o que muitos de nós pensamos..e sonhamos..um Algarve de Algarvios!!

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde, li o seu artigo e achei deveras interessante, sou directora do Jornal Já Está o Jornal da Cidade de Faro e de distribuição gratuita. Falei com o nosso Editor sobre o que publicou neste blogger e ambos concordamos que seria interessante a sua publicação, caso tenha interesse.
    Queira por favor redireccionar este artigo para o nosso e-mail: jornal.jaesta@gmail.com ou contactar-nos para o 932927000.
    Bem Haja

    Maria Rocha
    Jornal Já Está

    ResponderEliminar
  7. moss déb!!!!atao na sabes???que cabele é esse???

    ResponderEliminar
  8. Já distam muitos anos que considero que a nossa História está mal contada... tenho vindo a fazer várias investigações literárias e muito do que nos conta já tinha esse conhecimento. Tal como diz muitos de nós apenas acredita no que lhes conta ou absorve da História utilizada nas escolas e ficam por aí... O hábito de ler e aprofundar é limitado e pouco mais se sabe dos acontecimentos do passado.
    Obrigada pelo texto e informações que nos fornece e que muito esclarece.
    É nosso dever fazer mais por este cantinho que já foi "grande" e abastado e que, por incúria" dosa governantes está abandonado e esquecido (propositadamente ou desleixo). cabe-nos a nós Algarvios lutar para o seu regresso ao engrandecimento.

    ResponderEliminar
  9. Li tudo, achei muito interessante e concordo com aquilo que o senhor escreveu. O Algarve terá que ser e é dos algarvios!

    ResponderEliminar
  10. Por acaso já sabia quase tudo o que foi aqui escrito (desconhecia o facto de o reino dos Algraves não ter sido abolido na implementação da républica), este artigo devia ser publicado em tudo o que é jornal.

    ResponderEliminar
  11. Tenho orgulho de ser Portugues, embora tenha nascido em Angola, e tenha passado os primeiros 7 anos em Tomar, foi no Algarve que passei a minha juventude, que aprendi a ser Algarvio, pois passei a sentir-me estrangeiro em qualquer outra parte de Portugal... O Algarve tem uma fronteira natural a norte (serra) e a leste (Guadiana) o que o torna geograficamente independente, depois vem a historia, que é tao grande que nao conseguiram apagar em 500 anos, e quanto a viabilidade economica? ... bem, temos a maior industria de Portugal - Turismo - e somos tao viaveis como o Monaco, que nao tem nada a nao ser uma marina e um palacio... entao? O problema bem sei, é que Portugal precisa do Algarve muito, mas mesmo muito mais, do que o Algarve precisa de Portugal. O sonho é bonito, mas temo que nao passará disso; e entretanto continuarei em terras estrangeiras a sonhar com a Algarve que adoro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será que os algarvios sentem-se verdadeiramente senhores do Algarve? certamente que não o são, há muito que os estrangeiros tomaram o Algarve por sua conta. O que realmente constato, é que Lisboa controla e toma todas as decisões nacionais, eu sou apologista da descentralização!

      Eliminar
    2. Algarvios em frente com o M.I.A. (movimento de independência do Algarve)

      Eliminar
  12. Sem saber muito sobre a história de Portugal, sempre disse ser algarvio. Ainda por cima, com o que se vive e o que vê por aí, estou ainda mais convicto daquilo que sou. Sou algarvio, não sou português.

    Ass.: filho.

    ResponderEliminar
  13. como sempre o Algarve é e será sempre só lembrado para férias e nada mais do que isso tivemos ministros ,presidente algarvios mas nada fazem para o desenvolvimento deste nosso algarve.como costumo dizer o oásis é só para quem pode ...........

    ResponderEliminar
  14. O nosso Algarve foi pra dar mamar aos fdp dos governantes, de resto tão se borrifando pró sul

    ResponderEliminar
  15. Força Algarve, podem comer-nos o €, mas não nos comem o orgulho! Saudações da Catalunha!

    ResponderEliminar
  16. eu tinha certo conhecimento sobre o assunto,,agora tá explicado quando digo que sou do algarve e nao de portugal....

    ResponderEliminar
  17. Tenho formação na área das tecnologias e nunca dediquei tempo sobre a história de Portugal. Nasci no Algarve e sempre me senti um estrangeiro quando me desloco acima do Alentejo. Sinto que o Algarve é propositadamente mantido como "colónia de férias" pelos governantes de Portugal. Obrigado pelo texto, fez-me sentir mais Algarvio e começar a acreditar, e a agir, como se fossemos auto-suficientes. Se todos os Algarvios pensarem e agirem assim, o "resto" surge naturalmente...:-)

    ResponderEliminar
  18. por isso e que nao gosto nada dos lisboetas,,quando nao tem dinheiro vem para ca ..nao preciamos deles,,temos turistas britanicos e alemaes,,obrigado Algarve,,adeus Lisboa

    ResponderEliminar
  19. Brevemente, chamaremos ao continente, Portugal dos pequeninos!!!

    ResponderEliminar
  20. Brutal...o Algarve e uma nacao... e nos algarvios temos o dever e a obrigacao de mostrarmos isso ao mundo e d uma vez por todas por o resto do pais a andar daki pa fora e darem nos a hipotese d sermos nos mesmos d passarmos a nossa cultura ao mais novos d sermos independentes e continuarmos a nossa rica historia.... Smp ouvi dzr rei d Portugal e dos Algarves ta na hora d sermos soberanos d mandarmos em nos d seguirmos em frente e deixar este pais k so nos prejudica k nos limita em td....

    ResponderEliminar
  21. Gostei muito.
    Bem investigado e escrito com muita graça!
    Só lhe aponto um senão, o considerar que Dom Afonso III inovou em Faro, não inovou.
    Dom Afonso III fez o que era uso desde o Dom Sisnando, Conde de Coimbra.
    Esse era o ‘modo português’, muito diferente do ‘modo castelhano’!
    Investigue e verá que tenho razão…

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sr. Álvaro Aragão, onde é que no texto diz que o D. Afonso III inovou?
      Obrigado pelo seu comentário.

      Eliminar
  22. Sempre achei que a história era feita à medida dos interesses institucionais. Não nasci no Algarve, mas a minha família é quase toda algarvia. Sou filha da emigração. Posso contudo declarar que me sinto 100% Algarvia, não só pelo conhecimento que acho que tenho da sua cultura e das suas tradições, como do prazer que tenho em passear neste lugar abençoado onde existem lugares lindos ( e não são só praias), como da mistura de gentes.
    A juntar a tudo isto temos o SOL que abençoa o Algarve com a sua permanência durante largos períodos de tempo.

    ResponderEliminar
  23. Há poucos anos, no primeiro seminário de doutoramento, na FCSH-UNL, durante as apresentações, o Prof. perguntou-me qual era a minha região ao que respondi: Algarve. Resposta do Prof.: «O Algarve é outro mundo». Senti-me "estrangeira". De facto, parece que o Algarve é uma região à parte do resto do País.

    ResponderEliminar
  24. Sou algarvio, porque nasci cá, se bem que os meus pais são brancos, vindos de angola após a independência. estive a ler atentamente este texto e realmente muitas destas coias nunca estiveram nos meus livros de história e geaografia.
    obrigado por esta publicação (que ví através do mural de um meu amigo pelo facebook)

    O Nosso Algarve sempre foi tratado à parte. Se o País nos olha apenas com interesse... está na hora de lutarmos para ser autónomos.

    ResponderEliminar
  25. Belíssimo texto os meus parabéns, embora não tenha nascido no Algarve, nem tão pouco em Portugal, digo com grande carinho que sou Algarvio, afinal de contas são estas terras maravilhosas que me fazem estar aqui desde 1985 e com as quais mais me identifico, vivo neste Reino há 29 anos e espero continuar a viver até o chegar do fim dos meus dias...
    Viva o Algarve...

    ResponderEliminar
  26. Bom texto.Tanto a nível histórico ,como informativo. Bastante esclarecedor.Careceu de bastantes buscas.Parabéns! Nasci algarvia...serei para sempre algarvia,mas não sinto, num país tão pequeno que se tenha de viver de e só do turismo.Temos que criar infaestruturas que a região não possuie e não aguenta os milhares de veraneantes que aí caiem durante os meses estivais.Deveria ter parques de estacionamento . Deveria haver Centros Hospitalares com valencias necessárias ( para que os residentes quando se encontrem doentes tenham de se fazer aos hospitais de Lisboa ou Coimbra ) aqueles que o podem fazer....porque há aqueles que daí nem saíem!!!!!! Os funcionários da restauração, dos hipermercados;das farmácias; de todas as lojas em geral deveriam tirar um curso de boas maneiras e de atendimento ....isto, já para não falar dos serviços públicos!!!! Lá porque se é Algarvio ... devemo-nos .reger pelas mesmas regras e fazer jus ao nosso nascimento!!!! Há que criar Universidades pra que os estudantes n/ tenham de se deslocar pra Lx.Coimbra Porto e agora demais localidades . Tem de haver força e vontade politica ....que nunca houve. O que agora está a acontecer com a Troyka , uma autêntica vergonha estão a retirar valências a Centros Hospitalares e a encerrar outros aí do Algarve. Devemos lutar ,sim por um Algarve melhor e com mais qualidade de vida para nós e para quem nos visita ,porque tambem nos deixa divisas!!!!

    ResponderEliminar
  27. Muito bem exposto este manifesto! So tenho esperanca que algum algarvio com poder o leia... os meus parabens! Viva o Algarve!

    ResponderEliminar
  28. Eu ha muito que digo que sou metade portugues metade algarvio,sem duvida que amo o Algarve e sou apologista da separaçao ,a coisa mais aberrante que vejo acontecer é aquando das autarquicas os partidos enviarem figurões/figurinhas da elite de Lisboa para cabeça de lista de cidades nossas,irrita-me.Meus amigos vamos nos tornar na 3ª região autonoma e mandar dar banho oas que dizem que precisamos deles e sabem uma coisa ,o Durao Barroso vai logo ameaçar que seremos banidos da Uniao europeia,como fez com a catalunha e escócia,ui que medo assim poupamos em burocaciapara sair dessa ""união""

    ResponderEliminar
  29. Muito interessante e esclarecedor este artigo, gostaria de conhecer o autor e dar-lhe os parabéns pessoalmente, também deixar algumas ideias "O porquê da não organização de um congresso sobre esta matéria?", dar a conhecer às pessoas sobre esta realidade.

    ResponderEliminar
  30. muito bom sim senhor... mas como se passa à acção? como se chega lá a esse algarve dos algarvios? Para quando?
    O que é que se pode fazer Hoje?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este acordo vem de encontro aquilo que já tenho afirmado várias vezes, de que existe um vazio jurídico legal, sobre fazermos parte de Portugal pois no artigo da Constituição Portuguesa que estipula a área geográfica de Portugal, não há nenhuma alusão ao Reino do Algarve, também fazer parte de Portugal, Nela apenas menciona que Portugal é constituído por Portugal continental.
      Ora como todos nós sabemos, o Portugal continental é constituído por Minho, até ao baixo Alentejo, já que o Reino do Algarve está bem definido geograficamente, sendo a sua delimitação a norte, as serras de Espinhaço do Cão e Caldeirão ou Mú, nascente o rio Guadiana, sul e poente, o Oceano Atlântico.
      Para o efeito há duas hipóteses:
      a) - Uma petição/abaixo assinado, para que seja reconhecido pelo Tribunal Internacional de Haia a nossa independência como País, em relação a Portugal, devido ao mencionado vazio jurídico legal, da omissão do Reino do Algarve no território português.
      b-) Uma petição para que seja corrigido o artigo da definição da área geográfica de Portugal, co a seguinte redacção: Portugal continental, o Reino do Algarve, e, as regiões autónomas dos Açores e da Madeira, mas, neste caso, como região com u m estatuto autónomo idêntico ao da Madeira e dos Açores..
      Penso que a alínea b) possa ser a mais fácil de conseguir, além do que nos dava uma autonomia semi-independente, quer no que se refere à questão jurídica, quer no que se refere à financeira.
      Nunca deveremos anuir a que seja feito um referendo, para a autonomia do Algarve, pois o que foi feito, foi tendencioso para ser votado não.

      Eliminar
  31. Falam do Algarve, mas o Algarve não é tudo. Nós aqui no Norte (Porto p/ex.), sofremos muito com a centralização. Vamos mais a Sul (Lisboa) e somos tratados de maneira diferente, como se não pertencesse aquela "classe". Portugal é um país de interesses, e sempre será (Infelizmente).

    ResponderEliminar
  32. Eu estou babado com este texto.

    Os meus amigos de Lisboa chamam-me " algarvio marafado" sempre fiz questão de frisar que sou Algarvio.

    O que lhes digo: "Vocês são munta esquisitos"

    Tenho muito orgulho em ser algarvio, na nossa cultura, no nosso dialéctico e no nosso sotaque.

    Parabéns ao autor deste texto que deve ter dado uma ganda trabalheira.

    ResponderEliminar
  33. Parabéns a quem estudou tudo para fazer este texto, está muito muito bom, foi do melhor que já li, e agradeço muito pela informação que eu desconhecia e agora fiquei tão contente de ter esta informação e, com muita raiva do resto do país, não é que não tivesse já..., sou de Albufeira, nascido e criado e, daqui não saio, sou Algarvio, minha Terra, meu Reino.
    Gostava de ter mais informação acerca do M.I.A, há muitos anos que oiço falar sobre esse movimento mas nunca tive conhecimento do que era mesmo na realidade, sempre me pareceu como algo que já existiu mas acabou....será que esta extinto ou, ainda pode ter a sua vida de volta...?!
    Como Algarvio gostava de ser independente, temos todas as condições e podemos fazer melhor para nós próprios, ninguém vai ser rico, mas ninguém vai ser pobre, e há sempre muitos problemas mas, com muito trabalho podíamos estar ou nível do Mónaco, para dizer a verdade não sei bem como funciona lá, mas que estão melhor que nós estão!
    Gostava de ver o meu Algarve assim, simples e LIVRE!

    ResponderEliminar
  34. E triste a nossa historia não ser contada como deve ser, apesar de ser de Lisboa, e ha 30 morar no Algarve sinto que no meu tempo de escola fui enganada.Ainda bem que moro no Algarve pois e como algarvia que me sinto e ao ver bem o mapa sempre fui algarvia pois nasci no Reino do Algarve, Adorei ler este texto que de certeza exigiu muita pesquisa e espero que ele passe para as nossas escolas

    ResponderEliminar
  35. Para que conste como nos tratavam no tempo do Marquês de Pombal...
    Conta-se que nessa primeira versão do Regulamento de Disciplina Militar, o Conde de Lipe,seu autor,mandou escrever que “o Sargento deve saber ler, escrever e contar pois o Oficial, sendo nobre, pode não saber”. Mais consta que deviam “ir para corneteiros os ciganos, raianos, algarvios e outra gente de mau porte”.

    ResponderEliminar
  36. Estou totalmente de acordo . Eu como verdadeiro Algarvio marafado casa no Conselho de Silves que sempre disse que existem 2 tipos de portugueses �� os Algarvios e os outros.... sempre sonhei em ter o meu próprio negócio no Algarve, mas devido há falta de suporte do estado e dos bancos para novos projectos. . ✌Voto ✌ a favor da independência Algarvia só assim conseguimos o sucesso deste paraíso que ninguém da valor.������

    ResponderEliminar